FUNDADO EM 05 DE OUTUBRO DE 1922

DIRETOR
ANTÓNIO MAGALHÃES

SUB DIRETOR
EDUARDO COSTA


1-3-2016,
> Da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Oliveira de Azeméis
Presidente desmente falta de condições

Relatório da Procuradoria-Geral Distrital do Porto aponta deficiências que, de acordo com a responsável Goreti Mano, não se verificam.


Diana Cohen

A observação desagradou a presidente da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) de Oliveira de Azeméis, que se apressou a desmentir o seu conteúdo.

A Procuradoria-Geral Distrital do Porto (PGDP), no balanço da sua atividade relativo ao ano judicial anterior, refere que foram verificadas “grandes deficiências no funcionamento de algumas CPCJ” da área que abrange, evidenciando o caso de Oliveira de Azeméis. De acordo com o relatório, a sede desta instituição no concelho apresenta “procedimentos sui generis, entre os quais se destaca a inexistência de atendimento ao público nas instalações”.

Em declarações ao Correio de Azeméis, a presidente da CPCJ oliveirense afirmou que o comentário não corresponde à realidade. “Só pode tratar-se de um lapso. Temos espaço e horário para o atendimento. Se assim não fosse, não andava sempre a correr de um lado para o outro para atender pessoas”, contradisse Goreti Mano.

A CPCJ enviou, assim, um desmentido à PGDP, em que menciona que o procedimento identificado “só pode resultar de um grande lapso, isto porque a nossa Comissão dispõe de várias salas que nos permitem receber as famílias em condições de conforto e privacidade”, solicitando uma retificação “de forma a estancar a informação”.

“Quanto a demais comportamentos sui generis, não sabemos ao que se referem especificamente, pelo que tal referência deixa em aberto todo o tipo de raciocínios especulativos”, lê-se ainda no documento, a que o nosso jornal teve acesso.

De acordo com o relatório, esta e outras conclusões foram retiradas de encontros entre o Procurador da República designado como ponto de contato com os interlocutores das CPCJ e o Procurador-Geral Adjunto Coordenador da Jurisdição de Família e Menores com todos os magistrados representantes das comissões.

Nestas reuniões, foi também analisado o trabalho desenvolvido pelas CPCJ, “tendo-se concluído que, apesar da reconhecida disponibilidade e empenho da maioria dos comissários, são múltiplas as dificuldades sentidas por diversas Comissões de Proteção, especialmente decorrentes da falta de técnicos, situação que se agudizou com a generalizada retirada dos técnicos colocados pela Segurança Social”.


 




OUTRAS
27-4-2017»  A CARTA A JOÃO ARAÚJO (ex-Azeméis FM)
26-4-2017»  Atletas medalhados em prova mundial
26-4-2017»  Futuro presidente quer o Cesarense na II Liga
26-4-2017»  Cucujães segue destacado no 3º lugar
26-4-2017»  Carlos Vieira arrecadou o ‘jackpot’ em Espinho
26-4-2017»  Relíquias de duas rodas desfilaram pelo concelho
26-4-2017»  Benfica ‘pagou a conta’ da derrota no Illiabum
26-4-2017»  Carregosense dá uma lição de humildade e de bem jogar
26-4-2017»  Juniores do Cesarense mais longe da subida
26-4-2017»  Macieirense terminou em quarto lugar



PESQUISA





REDACÃO:
Edifício Rainha, 8º Piso
3720-232 Oliveira de Azeméis


CONTACTOS:
Telf: 256 04 98 90 * Fax: 256 04 62 63
Tlm: 939628533


Horário Atendimento: 2ª a 6ª - 9:00h / 18:00h
email: geral@correiodeazemeis.pt


Todos os direitos reservados, 2017