FUNDADO EM 05 DE OUTUBRO DE 1922





DIRETR
EDUARDO COSTA


8-8-2017,
Exclusivo > Gravação encaminha clientes para os serviços municipais
EDP ACUSADA DE IGNORAR PEDIDOS DE ASSISTÊNCIA

Dificuldades em contactar os serviços da EDP têm causado alguma revolta, tendo chegado ao Correio de Azeméis relatos que dão conta de constrangimentos sempre que é necessário efetuar pedidos de assistência técnica.


Diana Cohen

Uma parte da Praça Comendador Fernando Pinho Teixeira, em Carregosa, está sem iluminação há cerca de dois meses e o presidente da Junta de Freguesia tem insistido, junto da empresa distribuidora de energia, para que proceda à substituição das lâmpadas. Mas os seus esforços têm-se revelado infrutíferos.

“São quatro lâmpadas que estão avariadas, o que já faz toda a diferença”, refere António Aguiar, lamentando que os seus pedidos tenham sido ignorados. “Ninguém me responde nem vem fazer a substituição. Se forem os particulares a ligar, passados uns dias eles vêm substituir, mas se for a junta a pedir não ligam nada”, conclui o autarca de Carregosa.

Já em Palmaz, mais precisamente, no lugar de Ferreiros, uma zona rodeada de floresta esteve também durante alguns dias sem iluminação, devido à avaria de lâmpadas. Tendo em conta que “a população estava com medo de lá passar por causa da escuridão”, Carlos Flores contactou a EDP através de um número disponível 24 horas por dia, próprio para o efeito, e o que ouviu do outro lado da linha deixou-o estupefacto. “A gravação encaminhou-me para os serviços municipais e isso deixou-me indignado, porque achei que isso não fazia sentido nenhum. É uma vergonha uma empresa privada dizer que deve ser uma entidade pública a resolver a situação”, criticou.

Entretanto, pelo menos em Palmaz, as lâmpadas já foram substituídas, mas a dificuldade em conseguir entrar em contacto e em expor os problemas a um telefonista deixou Carlos Flores revoltado. “As pessoas não conseguem falar com ninguém, é tudo gravações”, afirmou o arquiteto, que relaciona estas “falhas” com a privatização da empresa. “Empresas com estatuto público nunca deveriam ter sido privatizadas porque deixam o cidadão dependente destas situações”, considerou.

O Correio de Azeméis tentou entrar em contacto por diversas vezes com a EDP, mas não obteve sucesso.


 




OUTRAS
23-10-2017»  Macieirense assume a liderança
23-10-2017»  Oliveirense facilitou e sofreu a acabar
23-10-2017»  Oliveirense continua invencível
23-10-2017»  Cesarense goleou e mantém-se no topo
23-10-2017»  Cucujães cai na Taça de Aveiro
23-10-2017»  Pai acusa funcionária de agredir criança na escola
22-10-2017»  Alunas da Ferreira de Castro visitam campo de refugiados
22-10-2017»  Alunos encantados com a cidade que nunca dorme
22-10-2017»  Bombeiros melhor preparados para os fogos com novas fardas
20-10-2017»  UFOA oferece lettering à cidade



PESQUISA




Estatuto Editorial O Correio de Azeméis, no cumprimento duma obrigação legal, renova o conteúdo do seu Estatuto Editorial, na mesma linha que orientou as décadas que leva de publicação ininterrupta, de colocar os verdadeiros interesses do con­celho de Oliveira de Azeméis como sua prioridade inquestionável, não se misturando com os interesses de grupos, nomeadamente políticos. O Correio de Azeméis renova o com­promisso de respeitar os princípios deontológicos da imprensa e a ética profissional, de modo a não poder prosseguir apenas fins comerciais, nem abusar da boa fé dos leitores, encobrindo ou detur­pando a informação.




REDACÃO:
Edifício Rainha, 8º Piso
3720-232 Oliveira de Azeméis


CONTACTOS:
Telf: 256 04 98 90 * Fax: 256 04 62 63
Tlm: 939628533


Horário Atendimento: 2ª a 6ª - 9:00h / 18:00h
email: geral@correiodeazemeis.pt


Todos os direitos reservados, 2017