Em
Correio de Azeméis

27 Jun 2022

O “estado” da saúde em Portugal: Os deputados em vez de se preocuparem com a vida andam preocupados com a morte.

Carlos Costa Gomes

Carlos Costa Gomes *

Escrevo esta crónica depois da aprovação da lei da Eutanásia pelos deputados da Assembleia de República cujo resultado foi sufragado por maioria dos deputados.  A corrida desenfreada sobre a elaboração desta lei, que é eticamente inaceitável, ultrapassou o limite razoável no sentido em que se construiu uma norma jurídica sobre enunciados éticos errados. 
A pressa de depressa aprovar a lei que permite a uma  pessoa fazer o pedido para ser morta, mas que não pode decidir sobre a sua morte – encapotada de Morte Medicamente Assistida -  revela contradições insanáveis que só o fervor político foi capaz de ver o que os portugueses não viram – a criação de uma lei que não é, manifestamente, uma preocupação nacional; revela contradições que políticos não quiseram ver nem ler os pareceres negativos das Ordens Profissionais da Saúde, entre outras entidades. Tudo isto em nome da evolução civilizacional apresentando a Eutanásia como uma evolução social e cultural da saúde. 
No entanto, enquanto os nossos deputados consideravam a lei a Eutanásia um desígnio nacional, os noticiários abriam e abrem com as notícias do encerramento das urgências – obstetrícia - de hospitais de norte a sul do país. Afinal, o que deve ser um desígnio nacional que a vida da saúde das pessoas, foi relegada para segundo plano porque o importante era tratar da morte - quando a pandemia e a falta de acesso a cuidados de saúde, consultas, tratamentos e intervenções cirúrgicas  fez e faz morrer tantos portugueses -; o importante, na realidade, era mesmo aprovar a lei que dá licença ao SNS para matar, para dar a tal resposta à conquista civilizacional que os proponentes consideram ser a eutanásia indispensável.  
Antevejo, como no Canadá, que aprovou a lei da eutanásia em 2016 (alterada em 2021) para doenças terminais, que substituiu o conceito de terminalidade por “doença ou deficiência que não possa ser curada/aliviada em condições que o próprio considere aceitável”, tornando-se num caos moral onde tudo vale para por nada valer. 
No país acima referido, é permitido que as pessoas que consideram não ter rendimentos para ter uma vida digna possam pedir para ser mortas; ao invés o país não gasta dinheiro para que as mesmas possam viver, mas paga para morrerem; mata-se quem não pode pagar tratamentos médicos.
De facto, a gravidade de abusos em países em está aprovada a eutanásia é alarmante. O Estado canadiano, através do Gabinete Parlamentar do Orçamento, deu a conhecer um relatório sobre a poupança do Estado com o recurso à eutanásia (após as alterações de 2021 cerca de 148,9 milhões por ano) e a comparação do custo de tratamento de um doente crónico (muito milhares de dólares canadianos) em comparação com o que o estado gasta num caso de eutanásia $2.327. (ASC). Mas sobre estes casos dramáticos podíamos também falar da Bélgica e de outros países, onde, na verdade a “rampa deslizante” não é uma falácia, mas uma realidade concreta. 
Uma sociedade mede, eticamente, o seu desenvolvimento pela forma como cuida dos mais frágeis. Torna-se urgente empreender uma séria reflexão ética sobre a morte, sobre a doença e o sofrimento, temas centrais para a vida individual e coletiva; esta reflexão definirá a sociedade que seremos no futuro.  Eu não quero um SNS que tenha licença para matar.
* Prof. Doutor  Ética e Bioética   ESSNorteCVP e Pres. da  Direção Nacional do Centro de  Estudos de Bioética
 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
Banda de Música de Loureiro vai está presente nas festas em honra de Nossa Senhora de La Salette
8/08/2022
Três anos de projeto e nove meses de obras
8/08/2022
‘Carlos Osório’ certificado com a placa ‘Silver’
8/08/2022
Zé Pedro já assiste
8/08/2022
Borges é reforço
8/08/2022
Dupla reforça Futsal de Azeméis
8/08/2022
Pedro Silva continua ao leme do Carregosense
8/08/2022
Igreja Matriz renovada
8/08/2022
PUB
PUB