Aos 104 anos sem assistência médica em casa

Notas do diretor

Com a respeitável idade de 104 anos é muito natural que a senhora Laurinda Silva não se possa deslocar ao centro de saúde. Precisa que o médico de família vá a sua casa. A senhora tem direito à qualidade de vida, a melhor possível no tempo que ainda lhe resta. Os seus familiares são mais felizes com a sua companhia. Lutam pela continuidade da sua vida com saúde. Todas as vidas são importantes. Muito importantes. A vida da senhora que já vive há 104 anos tem de certeza uma história rica, também de trabalho, que merece todo o carinho da sociedade. É com tristeza que damos notícia deste caso. Quero acreditar que a assistência médica não se deslocou à residência da paciente por motivos justificáveis, ou mesmo por imposição de normas. O que, a ser assim, fica-se a lamentar uma certa insensibilidade dos serviços e profissões que juraram dedicar-se a pugnar por cada vida. 
EDUARDO COSTA, diretor 
 

Partilhar nas redes sociais

Últimas Notícias
‘Feirinha de Natal’ levará o encanto a Travanca
25/11/2022
Um ferido numa colisão entre três veículos
25/11/2022
Gonçalo Noites está no caminho de mais uma medalha
25/11/2022
João Paulo Silva sucede a Luís Filipe Oliveira como Presidente da Ordem dos Advogados
25/11/2022
Filipa Oliveira é vice-campeã do mundo em Acrodance
25/11/2022
“Parque Natal”: espetáculos com levantamento prévio de bilhetes
24/11/2022
Mau tempo vai deixando marcas no concelho
23/11/2022
Nadador da Oliveirense é campeão regional
23/11/2022
PUB