Em
Correio de Azeméis

24 Jan 2022

Oliveirenses nas listas por Aveiro

Destaques Exclusivos

DEBATE NA AZEMÉIS TV/FM

Sara Costa e Luciana Reis, do Bloco de Esquerda (BE), António Pinto Moreira, do CDS-PP, Manuel Almeida, do CHEGA, Vítor Januário, da CDU, Ricardo Magalhães, da Iniciativa Liberal (IL), Bruno Aragão, do PS, Helga Correia e Nuno Pires, do PSD, são os nove oliveirenses representados nas listas do círculo eleitoral da Aveiro candidatas às Legislativas 2022 do próximo domingo, 30 de janeiro. Os candidatos estiverem reunidos em debate na Azeméis TV/FM para se apresentarem à comunidade e, também, discutir perspetivas e informar os eleitores.

A motivação de cada candidato
“Aceitei este convite pela capacidade de olhar à minha volta e identificar uma série de problemas que necessitam de ser resolvidos com premência e urgência. É importante que haja partidos como o BE que olhem para os problemas sem medo, com coragem, e que apresentem propostas para solucionar esses problemas (…) É preciso mudar as estratégias locais e nacionais”. 
Sara Costa, BE

“Identifico-me muito com o BE, sobretudo nas questões relativas ao Serviço Nacional de Saúde (…) Tenho percebido ao longo dos anos o quanto a saúde pública tem caído. Para além disso, a precariedade laboral também me chama muito à atenção. O código de trabalho precisa de ser revisto”. 
Luciana Reis, BE

“Enquanto presidente da concelhia do CHEGA em Oliveira de Azeméis aceitei o convite da distrital com orgulho e responsabilidade. No nosso distrito, em específico, temos vários défices ao nível da saúde, na área empresarial, entre outros. Estamos aqui para melhorar aquilo que precisa, e muito, de ser melhorado”. 
Manuel Almeida, CHEGA

“Conheço bem o nosso concelho, e, também, o distrito. Esta minha participação pelo CDS é para que consigamos ter um processo de melhoria em muitos aspetos que têm de ser pensados rapidamente (…) A economia está estagnada devido à asfixia fiscal à qual estamos sujeitos, temos grande défices na saúde, e a pandemia não pode ser justificação”. 
António P. Moreira, CDS-PP 

“Já ficou demonstrado que a atuação da CDU foi fundamental para obrigar uma alteração do rumo de políticas de subtração de direitos e de empobrecimento, que atingiram um pico de radicalização no governo PSD/CDS-PP e que levaram à imigração de muitos portugueses. Tenha força a CDU que a rota será outra”. 
Vítor Januário, CDU

“Acho que é tempo de importarmos para Portugal o sucesso dos países que nos têm ultrapassado. É importante termos no parlamento, não só partidos que identificam os problemas, mas partidos que se interessem em solucionar os problemas. O desenvolvimento económico não é feito pelo lado da procura, ou seja, não resolvemos os problemas do país querendo mais. Resolvemos os problemas do país criando mais”. 
Ricardo Magalhães, IL

“Candidato-me porque sinto que posso contribuir para este caminho que, enquanto país, vamos fazendo, sempre à procura de um dia melhor. Acho que nesta discussão, a parte bonita é que cada um de nós verá o mundo com uma lente própria (…) Não é na possibilidade do caminho que está a discussão, é na forma como achamos que esse caminho é melhor ou pior. O maior contributo que trago é o facto de achar que não há um lado da economia, ou um lado social, ou um lado dos trabalhadores. O sistema é um todo que se influencia mutuamente”. 
Bruno Aragão, PS

“Aceitei o desafio do PSD por entender ser meu dever continuar a fazer parte da construção de um país melhor em áreas fundamentais para os portugueses, como a saúde, a segurança social, a educação, a justiça e o ambiente. Em segundo lugar, quero dar continuidade ao meu trabalho na Assembleia da República em vários assuntos relevantes para Oliveira de Azeméis, como a GNR de Cesar, a requalificação da linha do Vouga e do IC2, entre outras”. 
Helga Correia, PSD

“O que me motiva a aceitar este convite é o facto de considerar que o doutor Rui Rio é a pessoa que, neste momento, tem as melhores condições para ser um bom Primeiro-Ministro e que trará um futuro melhor para todos. Revejo-me na sua forma de fazer política, como uma forma séria e frontal, onde expressa claramente aquilo que pensa, o caminho que quer seguir e a forma como quer aplicar essas medidas”. 
Nuno Pires, PSD

O Bloco de Esquerda tem soluções”
“Dizer que o BE só identifica problemas e não tem propostas é completamente errado. Temos propostas, temos soluções, e precisamente por isso é que grande parte das propostas que o Bloco faz no parlamento acabam por ter impacto na vida das pessoas, porque são propostas que se interessam pela população”. 
Sara Costa, BE

“Não tenho dúvidas que as políticas seguidas pelo BE vão aumentar as desigualdades, quando prometem o contrário (…) A teoria do BE pretende acabar com os ricos, mas o que nós queremos fazer é acabar com os pobres”.
Nuno Pires, PSD

CDS-PP: “Estamos a ficar na cauda da Europa”
“Nos últimos 25 anos temos de contar as vezes em que o PS foi governo e ver o estado em que estamos hoje. Estamos a ser ultrapassados por países que à partida se achava que eram mais atrasados que nós, estamos a ficar na cauda de Europa. Vamos investir na TAP, uma companhia paga pelos portugueses, quer andem de avião ou não. A percentagem de portugueses que andam de avião é muito pequena”. 
António P. Moreira, CDS-PP

CDU: “A melhoria do salário traz contributo positivo”
“Quando nos dirigimos ao pequeno comércio e às pequenas empresas percebemos que, afinal, o salário não é o grande problema dos fatores de produção. Aliás, a sua melhoria só traz contributo positivo para a dinamização da economia e do mercado interno. É preciso avançar para melhorar rendimentos, sobretudo através da melhoria do salário mínimo nacional”. 
Vítor Januário, CDU

“Os orçamentos dasempresas não são elásticos”
“Tanto no estado como nas empresas existem orçamentos que, muitas das vezes, não são elásticos. Para haver orçamento de estado tem de haver cobrança de impostos e nas empresas tem de haver criação de riqueza. Só podemos ter uma economia forte se tivermos empresas fortes que produzam riqueza, que vai permitir pagar mais e melhores salários”.
Helga Correia, PSD

Iniciativa Liberal: “Para distribuir riqueza é preciso gerar riqueza”
“Para nós darmos creches gratuitas, os professores têm de receber dinheiro, e quem fabricar os brinquedos para essas creches gratuitas vai receber dinheiro. Para os professores não serem escravos e terem salários dignos, para existirem brinquedos nas creches, tem de haver dinheiro para isso. Esse dinheiro contribui para o bem-estar das pessoas (…) É preciso gerar o dinheiro e os bens que estão nessas creches. As coisas não surgem do nada”. 
Ricardo Magalhães, IL

Saúde, educação e segurança: “As coisas não são a preto ou a branco”
“Falamos da geração mais qualificada de sempre, mas esquecemo-nos do sistema educativo que produziu essa geração. Falamos das forças de segurança, mas esquecemos que Portugal está nos três países mais seguros do mundo. Falamos da saúde, mas esquecemos que o nosso país tem dos melhores serviços nacionais de saúde do mundo e daquilo que conseguimos com a vacinação. Isto é factual e foi conseguido com os nossos modelos. No entanto, sabemos que temos ainda muitas necessidade”.
Bruno Aragão, PS

Sistema Nacional de Saúde: “Os portugueses querem qualidade de vida”
“Perguntem a quem está à espera de uma consulta há meses, se não preferia ir a um sistema de saúde privado (…) o problema é que as pessoas não têm escolha. Se o SNS fosse eficaz não existiam quatro milhões de portugueses, incluindo professores, que têm subsistemas de saúde que lhes permite ter um atendimento diferente”
Nuno Pires, PSD

 

- António Pinto Moreira, candidato no oitavo lugar da lista do CDS-PP, natural de Ul, residente em Cucujães, engenheiro e gestor de empresas
- Bruno Aragão, candidato no oitavo lugar da lista do PS, deputado na Assembleia da República e professor
- Helga Correia, candidata no quarto lugar da lista do PSD, natural de Santiago de Riba-Ul, deputada na Assembleia da República
- Luciana Reis, candidata no sexto lugar da lista do Bloco de Esquerda, residente em Oliveira de Azeméis desde 2015, agente imobiliária
- Manuel Almeida, candidato no 14º lugar da lista do CHEGA, residente me Cucujães, trabalhador na área da eficiência energética
- Nuno Pires, primeiro suplente da lista do PSD, natural de São Roque, residente em Travanca, gestor comercial
- Ricardo Magalhães, candidato no segundo lugar da lista da Iniciativa Liberal, residente em Oliveira de Azeméis, consultor financeiro 
- Sara Costa, candidata no terceiro lugar da lista do Bloco de Esquerda, natural de Cucujães, escritora. 
- Vítor Januário, candidato no 19º lugar da lista da CDU, residente em Oliveira de Azeméis, professor

Partilhar nas redes sociais

PUB
Últimas Notícias
UDO/Cerciaz Padel apresentou equipa feminina
21/05/2022
UD Oliveirense é entidade formadora de 4 estrelas
20/05/2022
Jovens que sequestraram homem obrigadas a voltar ao CAF Pinto de Carvalho
20/05/2022
Alunos do CENFIM com título nacional
20/05/2022
Centro de Vacinação de Oliveira de Azeméis tem novo horário
20/05/2022
CD Loureiro é Entidade Formadora 3 estrelas
20/05/2022
Sete atletas individuais recebem apoio da câmara municipal
19/05/2022
UDO/Cerciaz Padel apresentou equipa masculina de +45
19/05/2022
PUB
PUB